Ansiedade e Amor-Próprio são temas da nova edição on-line do ‘Papo Cabeça’

Ação terá o escritor e criador de conteúdo digital, Matheus Rocha, abordando temas cotidianos com alunos dos núcleos socioculturais da instituição.

Não é difícil conhecer quem esteja lidando com sentimentos e sensações como nervosismo, medo, apreensão e preocupação, que acabam por traduzir o significado de ansiedade. Mantendo seu compromisso com a responsabilidade social, a Fundação Lia Maria Aguiar convida o escritor Matheus Rocha para uma nova edição on-line do Papo Cabeça, destinada a alunos, com o tema “Ansiedade e Amor-Próprio”, a ação acontece dia 25 de maio, às 18h30.

Os sintomas que podem afetar todas as idades de forma física e psicológica, e que vêm sendo intensificados com a pandemia da Covid-19, responsável por transformar e adaptar rotinas pessoais e profissionais, são assuntos recorrentes na vida e carreira do jovem poeta que se apoia nas próprias palavras para propagar seus pensamentos e expressar diferentes olhares sobre a vida para milhares de leitores e mais de 700 mil seguidores que o acompanham em rede social.

Nesta ação especial, a Fundação promove um encontro virtual entre centenas de alunos e o criador de conteúdo e cronista que iniciou seus trabalhos em 2012, com publicações feitas através do site ‘Neologismo’, que o lançou nacionalmente. A iniciativa, pensada sempre para informar e entreter, oferece aos envolvidos uma verdadeira troca de experiências, capaz de transformar dúvidas e curiosidades em inspiração e motivação.

Sobre o convidado:

Foto de Matheus Rocha olhando para a foto, ao fundo se vê montanhas.

Autor de livros que falam sobre amor, amor-próprio, amizade, sonhos e vida como ‘No Meio do Caminho Tinha Um Amor’, ‘Muito amor, por favor’, ‘O cuidador de pássaros’ e ‘Para Não Desistir do Amor’, Matheus conta ainda com duas publicações que abordam o universo da Ansiedade: ‘Pressa de Ser Feliz’ e ‘Não me Julgue pela capa’, que visam oferecer algum conforto, e até mesmo dar algum sentido aos altos e baixos da vida, que exige além de vivência, sobrevivência.

​Usando sempre de tom amigável e ciente de sua responsabilidade para com quem acompanha seu trabalho, o escritor, poeta e jornalista não poupa cuidados aos tratar do assunto, prezando pela missão exercida por cada profissional da área da saúde e recomendando, sempre que possível, que especialistas sejam procurados caso perceba-se a necessidade de explorar melhor os diversos gatilhos que a leitura pode despertar.