Fundação Lia Maria Aguiar abre processo seletivo para 2022

Crianças e jovens de Campos do Jordão poderão se inscrever para vagas nos cursos dos núcleos de Música, Dança e Teatro.

A Fundação Lia Maria Aguiar reafirma seu compromisso com a formação social e artística da juventude de Campos do Jordão com a abertura de mais um processo seletivo para os cursos promovidos pela instituição. A partir de 25 de outubro, mais de 300 vagas poderão ser preenchidas por crianças e jovens, com idade entre 6 e 18, que ingressarão em um dos três núcleos socioculturais, divididos em Música, Dança e Teatro, em 2022.

Para se inscrever, é preciso atender pré-requisitos importantes como ser residente no município de Campos do Jordão, estar matriculado em escola pública ou privada (pelo menos 80% das vagas são destinas a estudantes de rede pública) e ter renda familiar per capta de no máximo 01 salário mínimo, considerando o valor de R$ 1.163,55, vigente no Estado de São Paulo.

Os aprovados terão a oportunidade de desfrutar de uma infraestrutura completa, além de aprenderem com professores altamente capacitados e comprometidos em diferentes disciplinas artísticas, e serão contemplados com todo o suporte para a realização dos estudos e atividades. Em paralelo ao ensino cultural, a FLMA se dedica a preservar valores fundamentais que são verdadeiros pilares para um mundo melhor: educação, meio ambiente e inclusão social.

Entre os benefícios concedidos pela instituição estão os materiais de estudos, referente a cada curso, instrumentos musicais (no caso do núcleo de música), tecnologia para acesso ao ensino híbrido, uniformes completos e vestimentas de apresentações, transporte e alimentação – com acompanhamento de nutricionista. Durante a ano letivo, os estudantes também têm acesso à informações extras e participam de valiosas trocas de experiências com renomados profissionais de diferentes áreas por meio de palestras, bate-papos e workshops especiais.

Atenção aos prazos!

As inscrições para as vagas começam no dia 25 de outubro de 2021 a partir das 10h. Os interessados devem preencher as informações disponíveis no aqui e aguardar os próximos passos para as audições. 

As inscrições se encerram no dia 7 de novembro de 2021, às 18h. A previsão do início das aulas dos aprovados nos testes de aptidão é para fevereiro de 2022.

A FLMA

Desde 2012, a Fundação já capacitou milhares de jovens no ensino das Artes e se dedica a manter o projeto, sem fins lucrativos, em constante atualização e evolução, capacitando seres humanos não apenas no âmbito artístico, como também social, e proporcionando a eles diversas oportunidades de colocarem em prática, diante do público, o que aprendem em sala de aula, através de produções teatrais, apresentações de dança, concertos e festivais, que movimentam não só a programação escolar, mas também a cidade.

Núcleo de Dança participa da celebração de 15 anos do Balé da Cidade de Taubaté

Alunas do Núcleo de Dança da Fundação Lia Maria Aguiar estarão na Mostra Palco Aberto, que acontece durante cinco dias e com transmissão on-line em tempo real.

Acontece de 27 de setembro a 1º de outubro, com exibição digital, a “Mostra Palco Aberto – 15 anos Balé da Cidade de Taubaté”, que reúne academias, escolas, studios e grupos de dança da cidade e região, em uma série de apresentações. Marcando nova presença no evento, o Ballet Jovem Fundação Lia Maria Aguiar, do Núcleo de Dança, se apresenta com a coreografia “Instantes”, de Flávia Cassiano, no dia 29, quarta, às 17h, diretamente do centenário Teatro Metrópole.

Representando a FLMA estarão as oito alunas do grupo Intermediário e Avançado, coordenado por Fabiana Nemeth, que celebra a reabertura das cortinas, após longo hiato em função da pandemia da Covid-19. “O Festival Internacional de Dança de Taubaté é sempre muito importante para nós, por sempre participarmos e pelo incentivo que o evento traz para o nosso projeto. Será nosso retorno aos palcos após quase dois anos. Muita ansiedade e alegria marcam esse momento”, diz.

Seguindo todos os protocolos de segurança e saúde estipulados pelos órgãos oficiais responsáveis, as apresentações acontecem de forma presencial, porém sem a presença de público, e terão transmissões ao vivo pelas redes da Cia, no Facebook e Instagram do Balé da Cidade de Taubaté, sendo disponibilizadas posteriormente para acesso via YouTube oficial.

Criado em 2006, com a fundação e direção de Alexandra Luppe, O Balé da Cidade de Taubaté (BCT) já se apresentou em palcos nacionais e internacionais e vem realizando diversos projetos sociais, como o ‘Dança nas Escolas’, ‘Dança nos Bairros’, ‘Ver Dança’ e ‘Artistas do Futuro’, que atendem de crianças a idosos nos bairros, escolas e no Centro Cultural Municipal, além de destacar talentos não só da companhia, mas de todo o Vale do Paraíba.

Confira a programação completa:

27 de setembro (segunda-feira)
15h: Balé da Cidade de Taubaté – SÁBIA (Um Lá para Tom), de Arilton Assunção
17h: Arcane – COOL!, de Anabella Vargas

28 de setembro (terça-feira)
15h: Balé da Cidade de Taubaté – MANGUEIRA (Um Lá para Tom), de Arilton Assunção
19h: Studio Dancers – COOL!, de Anna Teresa Appolinário Monteiro

29 de setembro (quarta-feira)
15h: Balé da Cidade de Taubaté – CURVAS DO RIO e CANTIGA DE AMIGO (Toada da Sete Luas), de Felipe Chepkassoff
17h: Ballet Jovem Fundação Lia Maria Aguiar – INSTANTES, de Flavia Cassiano
19h: Pulsarte – FRAGMENTOS, de Giovana Lúcio, Sara Frade, Mafe e Deb
21h: Associação Lua Bailarina – AYUNI, de Denise Almeida

30 de setembro (quinta-feira)
15h: Balé da Cidade de Taubaté – Estreia: VEJA A MÚSICA, OUÇA A DANÇA, de Gabriel Lorena17h: Academia Adore&Dance Fitness – O RESGATE, de Monique Corrêa
19h: Studio Dancers – AUTÔMATO, de Tayna Mostarda

01 de outubro (sexta-feira)
15h: Balé da Cidade de Taubaté – Estreia: HYPNOSE, de Gabriel Lorena
17h: Studio Jeff Street Dance Company – CICLO, de Jeff Leonel / Nenê
19h: Priscila Mota Cia de Dança – DREAMS, de Poliana Nunes 21h: Grupo Baladi – ALELUIA, de Vera Borges

Alunas do Núcleo de Dança participam de Workshop com Mayara Magri, bailarina do The Royal Ballet


A bailarina carioca Mayara Magri realizou nesta terça-feira, 10, um workshop on-line em que as participantes experienciaram de forma prática, os conselhos e dicas da atual Primeira Bailarina no Royal Ballet (Royal Opera House).

Recentemente a palestrante participou de uma das edições do ‘Papo Cabeça’, promovido de forma digital pela Fundação Lia Maria Aguiar, onde pôde compartilhar um pouco de sua experiência e visão sobre o universo do ballet com os alunos e alunas do Núcleo de Dança.

“Para nós, enquanto escola, é muito importante essa abertura que a Mayara oferece, pois a troca sempre fortalece. Acredito que oportunidades assim reforçam o nosso trabalho enquanto professor e o delas enquanto alunas”, afirma Fabiana Nemeth, coordenadora do Núcleo de Dança da FLMA.

Ao todo, oito alunas do módulo Intermediário e Avançado tiveram a oportunidade de acompanhar, através de seus tablets uma masterclass seguida de exercícios e avaliações, onde as estudantes se apresentaram e receberam feedbacks da convidada sobre os solos.

Com a intenção de oferecer um ensino remoto de qualidade para todos os matriculados, especialmente durante a pandemia da Covid-19, a Fundação doou os tablets aos alunos, que estão sendo eficazes no aprendizado, ainda mais em eventos como esse.

Conheça mais sobre a convidada do Workshop

Morando em Londres atualmente, Mayara descobriu a dança ainda criança, aos oito anos, através do projeto ‘Dançar a Vida’, da Petite Danse, onde frequentou por meio de uma bolsa de estudos e pôde estreitar laços com a profissão que queria seguir. 

Desde então conquistou títulos importantes no Brasil e no exterior, realizando os sonhos de apresentar obras clássicas como ‘O Cisne Negro’, ‘A Bela Adormecida’, ‘Dom Quixote’, ‘Giselle’, ‘Os Dois Pombos’, entre outras.

Foi eleita a melhor bailarina no 28º Festival de Dança de Joinville e dos dois mais importantes festivais internacionais de Ballet, o YAGP (Nova York) e o Prix de Lausanne (Suíça), que lhe rendeu uma bolsa no Royal Ballet School, em 2011. 

Finalizou seus estudos na escola britânica e foi convidada para integrar a Companhia Profissional, sendo promovida a Artista em 2015, Solista em 2016, Primeira Solista em 2018 e Primeira Bailarina em 2021, sendo este o mais alto cargo que uma bailarina pode alcançar.

“Ela é uma bailarina brasileira que conquistou o melhor e mais alto lugar dentro de uma companhia, então tudo que ela traz, não só a experiência e a vivência, mas também essa visão inglesa da técnica, faz com que nossas alunas se aproximem um pouco mais dessa realidade, que ainda parece algo muito distante, uma vez que estão no processo de aprendizado.”, explica Fabiana Nemeth, coordenadora do Núcleo de Dança da FLMA.

Fundação Lia Maria Aguiar realiza live com Marcos Piangers dedicada ao Dia dos Pais

Ação faz parte do projeto ‘Encontro da Cidadania’, que há mais de 10 anos reúne profissionais de diferentes áreas para abordar temas sociais e educacionais de forma inspiracional.

Considerado um nome de sucesso no universo das palestras que envolvem criatividade e humor corporativo, Piangers, que já foi chamado de “guru” pelo portal UOL, “fenômeno da internet” pelo jornal O Globo, e de “o pai mais cool do Brasil” por revistas portuguesas, se destaca por ser bastante familiarizado com o tema ‘Paternidade’, reconhecimento este coroado com o sucesso do best-seller ‘O Papai é Pop’, publicado em 2015 e com mais de 300 mil cópias vendidas pelo Brasil, Europa e Estados Unidos.

De família pequena e filho de mãe solo, o comunicador sempre sonhou em ser pai e vivenciar o amor que considera sublime, profundo e transformador, se aventurando no universo desconhecido e sem referências que o aguardava um dia. Os primeiros textos vieram de momentos de questionamentos e entendimentos, a princípio íntimos, mas que passaram a ser compartilhados quando, após ler alguns quadrinhos do britânico Neil Gaiman, percebeu que falar abertamente sobre família era não só possível, mas necessário.

Foram os pensamentos coerentes, leves e em tom descomplicado deste pai que chamaram a atenção da Fundação, disposta a propor neste encontro, reflexões sobre a missão que é educar, proteger e conviver, bem como o papel do homem como cuidador. “Vamos falar dos aprendizados da paternidade, as transformações que acontecem na vida dos filhos, sobre um ser que pode cuidar de outro ser e ainda se conhecer neste processo, da paternidade e autoconhecimento, e sobre como podemos ser mais felizes e equilibrados”, conta Marcos.

Com acesso gratuito e aberto ao público, a palestra, especialmente dedicada aos pais, mas válida também para as mães que se dividem na dupla função, contará com a intermediação de Luiz Goshima, diretor da Fundação Lia Maria Aguiar, que será também o responsável por acompanhar as mensagens recebidas em tempo real, através do chat da live, direcionando dúvidas e compartilhando ideias para o convidado.

Idealizado pela FLMA, o evento sido realizado de forma digital em função do Coronavírus, recebendo em 2020 os professores Leandro Karnal e Mario Sérgio Cortella, e, mais recentemente, na Edição Especial de Dia das Mães, a Monja Coen e a jornalista Maria Cândida. O ‘Encontro’ acontece anualmente a fim de promover conversas construtivas e agregadoras com importantes pensadores, comunicadores e profissionais de áreas como Saúde, Educação, Cultura e Esporte.

Sobre o Convidado:

Foto: Renata Cechinel

Jornalista e Palestrante de tecnologia e inovação, criatividade e paternidade, e dedicado à comunicação jovem, é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e trilha uma carreira de comunicador com passagens por importantes veículos da mídia audiovisual, impressa e digital.

Iniciou sua carreira em 2001, na extinta TV Com, apresentando o programa ‘Na Pilha’, em 2003 passou pelo programa ‘Patrola’, da RBS TV, afiliada da Globo, e, na mesma época, assinou uma coluna no Diário Catarinense, conectada aos conteúdos que abordava na TV.

Em 2006 se mudou para Porto Alegre, onde passou a fazer parte do humorístico ‘Pretinho Básico’, da Rádio Atlântida, ficando conhecido pelo personagem Almir, e, anos depois se mudou para Curitiba, cidade que mora hoje e escolheu para priorizar o convívio familiar junto da esposa, Ana Cardoso, e das filhas, Anita e Aurora, com quem experiencia as histórias compartilhadas como pensamentos em suas publicações e na coluna da Revista Pais e Filhos.

Autor do sucesso ‘O Papai é POP’, lançado pela editora Belas Letras e traduzido para inglês, espanhol e catalão, o livro, que conta com a sequência ‘O Papai é POP 2’, terá em breve uma adaptação cinematográfica, estrelada por Lázaro Ramos e Paola Oliveira. Piangers é também autor do livro ‘O Poder do Eu Te Amo’, inspirado em seu vídeo homônimo com mais de 50 milhões de visualizações.

Integrante do projeto literário ‘Letters To My Young Self’, que já contou com participação de Paul McCartney e Jamie Oliver, o comunicador, que soma atualmente mais de 5 milhões de seguidores nas redes sociais e reúne mais de meio bilhão de views em seus vídeos, foi cinco vezes palestrante do TEDx, considerada a maior conferência de ideias do mundo, e teve sua carreira laureada em 2020 pelo Prêmio Influenciadores, ficando ainda entre os melhores influenciadores da categoria ‘Comportamento’ no Prêmio iBest.

Encontro da Cidadania – Especial Dia dos Pais
Palestrante Convidado: Marcos Piangers
Data: 09 de agosto às 19h | Duração: 1h
Tema: ‘Paternidade: O Cuidar que transforma’

Acesso: Gratuito via Instagram @fundacaoliamariaaguiar e @piangers

Fundação Lia Maria Aguiar doa 500 tablets para fomentar ensino híbrido nos núcleos socioculturais

Iniciativa oferece aos alunos a oportunidade de estudarem remotamente com todos os equipamentos e conteúdos necessários.

Pensando sempre no bem-estar e educação dos jovens atendidos, a Fundação Lia Maria Aguiar dá um novo passo em direção à melhoria de sua estrutura de aula. Resultado de um intenso processo de pesquisa e criação, a iniciativa passa a oferecer um ensino híbrido através da distribuição de 500 tablets – já com acesso à internet -, que auxiliarão alunos e professores especialmente durante a pandemia da Covid-19.

O novo projeto, que mira na manutenção das atividades escolares fazendo uso de um sistema responsivo e que garantirá um maior envolvimento e desenvolvimento dos alunos, vai além da oferta dos equipamentos de ponta, prevendo ainda uma série de facilidades na criação e acesso dos conteúdos, que serão disponibilizados em aparelhos 100% personalizados e pensados para manter o interesse nos estudos artísticos e a regularidade na frequência dos cursos, além de amparar o aprendizado como um todo.

A distribuição dos aparelhos, realizada de forma segura, respeitando todos os protocolos de segurança, beneficia os três núcleos que compõem os pilares educacionais da Fundação Lia Maria Aguiar – Dança, Música e Teatro -, promovendo, a partir deste mês, uma verdadeira experiência tecnológica por meio de aulas via transmissão ao vivo, conteúdos em vídeo – como exercícios e materiais de referência – e interação com outros estudantes.

Na imagem, mãe está ao lado da filha recebem um tablet das mãos da recepcionista da FLMA. Ao fundo o logo da instituição na parede escrito Fundação Lia Maria Aguiar.
Acompanhados dos responsáveis, alunos da FLMA recebem tablets na sede da instituição.

Benefício extensivo

A aposta no formato híbrido – que combina a experiência do digital com o presencial (exceto para o canto, onde a ausência da máscara se faz necessária, porém inviável) – implicou na customização dos tablets e na criação de uma plataforma on-line exclusiva para uso pedagógico, possibilitando não só acesso a aulas e informes, mas também a promoção de encontros ao vivo por meio do Zoom, esses extensivos também aos pais em caso de reuniões.

Com gravações realizadas por uma equipe audiovisual, será possível garantir a longo prazo a qualidade do que é proposto e manter a didática trabalhada por cada professor, que, no decorrer dos últimos meses, precisou driblar uma série de limitações em função do isolamento social, que acabou por prejudicar o rendimento de muitas crianças e jovens devido à falta de equipamento adequado para aderir ao ensino domiciliar.

Na imagem se vê uma professora da Fundação em pé em frente a um painel azul, onde se vê a marca da instituição ao lado direito e desenhos de gotas do lado esquerdo.
Professores dos três núcleos socioculturais gravam conteúdos para as aulas EAD.

Indo além da manutenção das disciplinas de cunho artístico promovidas pela Fundação, a instituição amplia ainda seu olhar para a escola regular; dessa forma, a ideia é que os alunos possam utilizar os tablets, equipados com planos de internet móvel de 10GB, também para auxiliar nas demandas do ensino fundamental e médio, permitindo o acesso à sites de busca e a comunicação via aplicativo para troca de mensagens.

Efeito de uma verdadeira força-tarefa do corpo docente da FLMA, todo material produzido para a internet seguirá disponível em ambiente privado, mesmo após a normalização das aulas presenciais, servindo de acervo digital para consultas futuras. Com essa ação, a Fundação avança mais um degrau na missão de promover oportunidades iguais, investindo na evolução pessoal e profissional a partir das artes.

FLMA no combate à Covid-19

Ao longo dos últimos meses, a Fundação Lia Maria Aguiar vem se dedicando a oferecer diferentes tipos de ajuda. Buscando amenizar os impactos provocados pelo novo Coronavírus, que deixou milhares de famílias em situação de vulnerabilidade social, mais de 3000 cestas básicas foram doadas aos 450 alunos atendidos pela instituição.

Estendendo seus cuidados à cidade de Campos do Jordão, mais de 800 testes RT-PCR foram doados para os moradores através da parceria com a Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio-Libanês, contribuindo para o controle da propagação do vírus nos primeiros meses de combate à doença. Conversas virtuais com profissionais da Saúde também foram ofertadas a alunos e funcionários para reforço dos cuidados.

Já em sua grade de projetos e atividades, vem realizando eventos digitais em forma de palestras e bate-papos, com renomados profissionais como Mario Sérgio Cortella, Leandro Karnal e Monja Coen, sendo alguns deles destinados especialmente a alunos, funcionários e parceiros, e outros abertos ao público. O intuito é proporcionar acolhida emocional e despertar reflexões positivas sobre temas fortalecidos pela pandemia.

Núcleo de Teatro recebe Alessandra Maestrini em edição especial do Papo-Cabeça

Atriz e cantora participa do Papo-Cabeça on-line e aborda temas como sonhos, disciplina e caminhos que levam ao sucesso da carreira e ao reconhecimento artístico.

A troca de experiências pode ser sempre muito valiosa para quem trilha um caminho de constante evolução e aprendizado, como as crianças e jovens da Fundação Lia Maria Aguiar. Buscando sempre oferecer a eles as melhores oportunidades, a instituição promoverá na próxima terça, 22, às 18h30, uma edição especial do Papo-Cabeça, destinada especialmente aos 150 alunos do Núcleo de Teatro, com a presença especial da atriz e cantora Alessandra Maestrini, nome de grande relevância nos palcos brasileiros.

Conduzido pela coordenadora Viviane Santos, o bate-papo se dará de forma digital e será marcado por 150 minutos sobre sonhos, escolhas, carreira, estudos e os muitos caminhos que podem levar uma pessoa dedicada e talentosa ao sucesso, coroado pelo reconhecimento e a realização de bons trabalhos. O evento, que já recebeu diversos profissionais renomados em edições anteriores, dá aos alunos a exclusiva chance de esclarecer dúvidas e receber dicas sobre temas importantes.

“Quando foi sugerido que escolhêssemos alguém para participar desse Papo-Cabeça, nós pensamos na Alessandra porque acompanhamos a carreira dela, admiramos o seu trabalho e a ótima relação que ela já tem com a Fundação. Ela tem sempre um cuidado na maneira de se colocar, percebemos nela uma profissional muito centrada, correta, estudiosa, e como temos a intenção de falar, entre vários temas, sobre a disciplina do artista, ela nos pareceu ideal e com bastante propriedade, já que possui grande bagagem”, explica a coordenadora do Núcleo de Teatro.

Sobre a convidada:

Artista multifacetada é atriz, cantora, compositora, versionista e produtora. Nos palcos integrou o elenco de grandes superproduções do teatro musical brasileiro, entre elas ‘Les Misérables’, ‘Rent’, ‘7 – o Musical’, ‘Ópera do Malandro’ e ‘New York, New York’. Em 2014 montou o espetáculo solo ‘Yentl em Concerto’, um mix de musical, concerto, teatro e stand-up comedy, baseado na obra “Yentl – The Yeshiva Boy”, onde assina roteiro, direção e produção, além de estrelar. Registrado em CD e DVD, o disco recebeu o Prêmio da Música Brasileira 2017 na categoria Melhor Álbum em Língua Estrangeira. Seu último trabalho nos palcos foi em ‘O Som e a Sílaba’, que será adaptado em breve para a Disney+. Há nove anos é também mestre de cerimônias do Prêmio Bibi Ferreira, considerado o mais importante do teatro musical brasileiro. 

Na TV, é especialmente lembrada por seu papel como a divertida Bozena, do programa humorístico ‘Toma Lá Dá Cá’, mas sua veia cômica pulsante já pôde ser vista também em ‘Sexo e as Negas’ e ‘Eu, a Vó e a Boi’’; ainda no universo das séries esteve em ‘Chiquinha Gonzaga’, ‘A Cara do Pai’ e protagonizou ‘Tempero Secreto’, da GNT, e nas novelas fez parte de ‘Tempos Modernos’. Já no cinema, participou de filmes como ‘Fica Comigo Essa Noite’, ‘Polaroides Urbanas’, ‘O Labirinto’ e ‘Duas de Mim’, e, no universo da música, tem marcos importantes como o lançamento do seu primeiro CD solo, ‘Drama ‘N Jazz’, de 2012, e a participação na trilha sonora do remake da novela ‘Ti-TI-Ti’, com sua versão da canção ‘True Colors’.

Sra. Lia Maria Aguiar comemora 83 anos de vida com festa virtual

Ocasião conectou centenas de pessoas e a data foi marcada por um vídeo-homenagem ao som de “Como é Grande o Meu Amor por Você”.

Na última quarta, 02, a tarde foi marcada pela comemoração dos 83 anos da Sra. Lia Maria Aguiar, criadora da Fundação que leva seu nome e que há 13 anos transforma, através da arte e educação, a vida de milhares de famílias na cidade de Campos do Jordão. A celebração, realizada de forma virtual, reuniu mais de 500 pessoas, entre alunos, funcionários, colaboradores, amigos e parentes, que, de alguma forma, se sentem agraciados pela existência desta aniversariante tão especial.

Entre sorrisos, palmas, bexigas e chapéus de aniversário, o momento do parabéns, que uniu vozes e sentimentos para além do Vale do Paraíba, somou também palavras de afeto e gratidão, além de votos de felicidade e saúde, deixando espaço ainda para o vídeo-homenagem, que emocionou ao ter como pano de fundo a canção ‘Como é Grande Meu Amor Por Você’, cantada por alunos do Núcleo de Teatro e com arranjo criado pelo professor, Maestro e Diretor Musical Thiago Gimenes, traduzindo o que é vivido e sentido por cada um dos envolvidos nessa história de belos capítulos.

Confira como foi essa festa virtual que contou com câmeras e microfones ligados para expressar todo o amor e gratidão por esta aniversariante especial:

Ansiedade e amor-próprio são temas da nova edição on-line do ‘Papo-Cabeça’

Ação terá o escritor e criador de conteúdo digital, Matheus Rocha, abordando temas cotidianos com alunos dos núcleos socioculturais da instituição.

Não é difícil conhecer quem esteja lidando com sentimentos e sensações como nervosismo, medo, apreensão e preocupação, que acabam por traduzir o significado de ansiedade. Mantendo seu compromisso com a responsabilidade social, a Fundação Lia Maria Aguiar convida o escritor Matheus Rocha para uma nova edição on-line do Papo Cabeça, destinada a alunos, com o tema “Ansiedade e Amor-Próprio”, a ação acontece dia 25 de maio, às 18h30.

Os sintomas que podem afetar todas as idades de forma física e psicológica, e que vêm sendo intensificados com a pandemia da Covid-19, responsável por transformar e adaptar rotinas pessoais e profissionais, são assuntos recorrentes na vida e carreira do jovem poeta que se apoia nas próprias palavras para propagar seus pensamentos e expressar diferentes olhares sobre a vida para milhares de leitores e mais de 700 mil seguidores que o acompanham em rede social.

Nesta ação especial, a Fundação promove um encontro virtual entre centenas de alunos e o criador de conteúdo e cronista que iniciou seus trabalhos em 2012, com publicações feitas através do site ‘Neologismo’, que o lançou nacionalmente. A iniciativa, pensada sempre para informar e entreter, oferece aos envolvidos uma verdadeira troca de experiências, capaz de transformar dúvidas e curiosidades em inspiração e motivação.

Sobre o convidado:

Foto de Matheus Rocha olhando para a foto, ao fundo se vê montanhas.

Autor de livros que falam sobre amor, amor-próprio, amizade, sonhos e vida como ‘No Meio do Caminho Tinha Um Amor’, ‘Muito amor, por favor’, ‘O cuidador de pássaros’ e ‘Para Não Desistir do Amor’, Matheus conta ainda com duas publicações que abordam o universo da Ansiedade: ‘Pressa de Ser Feliz’ e ‘Não me Julgue pela capa’, que visam oferecer algum conforto, e até mesmo dar algum sentido aos altos e baixos da vida, que exige além de vivência, sobrevivência.

​Usando sempre de tom amigável e ciente de sua responsabilidade para com quem acompanha seu trabalho, o escritor, poeta e jornalista não poupa cuidados aos tratar do assunto, prezando pela missão exercida por cada profissional da área da saúde e recomendando, sempre que possível, que especialistas sejam procurados caso perceba-se a necessidade de explorar melhor os diversos gatilhos que a leitura pode despertar.

Fundação Lia Maria Aguiar realiza palestra on-line e gratuita dedicada ao Dia das Mães

Ação exibida pelo Instagram terá participação da Monja Coen e da jornalista Maria Cândida, abordando temas sobre maternidade, espiritualidade e comunicação familiar em tempos de pandemia.

As dificuldades e limitações geradas pela Covid-19 têm apresentado às mães novas descobertas e reflexões, onde a cada dia elas encontram formas de equilibrar seus sentimentos e conciliar a vida pessoal com o trabalho e a família. Pensando nisso, a Fundação Lia Maria Aguiar realiza nesta segunda, 10, às 19h, uma nova edição do “Encontro da Cidadania” dedicado ao Dia das Mães, aberto ao público e gratuito, com a presença virtual da Monja Coen e da comunicadora Maria Cândida.

Propondo uma conversa enriquecedora, capaz de informar, esclarecer, tranquilizar e entreter, as convidadas, que em suas redes sociais reúnem números expressivos de seguidores interessados em partilhar de seus pensamentos, refletirão sobre a maternidade e a missão especial, sem manual, que vem atrelada a ela, destinada a ensinar e transformar todos os dias, tornando essa uma experiência única e contínua.

O público, que estará conectado através do Instagram oficial da instituição, será presenteado com um diálogo construtivo e motivacional, através de palavras de amor e acalento, que podem encorajar e ajudar a amenizar os impactos sentidos pelo atual momento enfrentado, onde a espiritualidade e a comunicação se tornam bases ainda mais sólidas para o bom relacionamento familiar.

Conheça as palestrantes:

Monja Coen Rōshi: Monja zen budista brasileira e Primaz Fundadora da Comunidade Zen Budista, criada em 2001, com sede em São Paulo e destinada a disseminar os ensinamentos, ordenar monges e monjas e servir à comunidade através de palestras, liturgias e bênçãos de sabedoria. Antes de se tornar monja, estudou direito e trabalhou como jornalista.

Monja Coen com as mãos unidas no centro da imagem.

Criada no Cristianismo, ela começou a estudar a tradição Budista em 1983, quando integrou o Zen Center of Los Angeles, tendo se convertido no mesmo ano ao Budismo no Convento Zen Budista de Nagoia, no Japão. Estudou também nos templos de Aichi Senmon Nisodo e Tokubetsu Nisodo.
Entre os pontos altos de sua jornada no Brasil está a liderança das atividades do Templo Bushinji, o cargo de Presidenta da Federação das Seitas Budistas do Brasil, que, pela primeira vez em 50 anos de História do Budismo no Brasil, teve uma monja de origem não-japonesa ocupando a posição, e criou sua própria comunidade Zendo Brasil, reconhecida em 2008 como Templo e recebendo o nome de Tenzuizenji – nesta ocasião se tornou Abadessa.

Suas atividades como missionária incluem a Orientação de algumas Comunidades zen budistas no Brasil, retiros, palestras, além das Caminhadas Zen em parques e a participação em eventos e encontros pelo mundo de cunho educacional e inter-religioso, Seminários, e tudo que preze pela não-violência, a cultura de paz e a cura da Terra e dos seres.

Maria Cândida: Formada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, sua trajetória profissional inclui um início como modelo, passagens pelas principais emissoras do Brasil, e experiências internacionais como a CNN, em Atlanta, e a Bloomberg, em Nova York. Ao longo de 25 anos de carreira, esteve à frente de grandes reportagens, telejornais e programas de variedades, além da apresentação de grandes eventos como Oscar, Grammy, Grammy Latino e transmissões da Fórmula Mundial.

Maria Cândida com mãos dobrada sobre o queixo, usando blusa branca e cabelo solto.

Sempre ligada à área de comportamento e entretenimento, dentre tantos trabalhos destaca o comando do programa “12 Mulheres”, exibido pela Record TV, por onde conheceu vários países e reuniu histórias inspiradoras, sendo 50 delas eternizadas no livro “Mulheres que Brilham”, lançado em 2011.

Conectada também ao universo feminino, atualmente é referência para falar sobre empoderamento e realidades da Mulher 40+ e 50+, abordando temas como Envelhecer Positivo, Reinvenção de Carreira, Menopausa, Beleza e Maternidade. Atualmente realiza palestras pelo SEBRAE e apresenta o quadro ‘Ageless’, no Bem Estar, pela TV Globo, além de atuar como creator e influencer em suas redes sociais, onde se mostra com todas as suas nuances e inspira mulheres, assim como ela, reais.

Consideradas duas grandes referências femininas, a conversa especial ao Dia das Mães marca a primeira edição do “Encontro da Cidadania” em 2021, evento que acontece há mais de 10 anos e recebe renomados pensadores, comunicadores e profissionais de diferentes áreas, como Saúde, Educação, Cultura e Esporte, para abordar temas variados com a população de Campos do Jordão, onde está localizada a instituição. Realizado de forma on-line desde 2020 em função da pandemia, o evento, que recebeu em novo formato os professores Leandro Karnal e Mario Sérgio Cortella, mantém seu propósito de agregar conhecimento, ressignificar valores e promover o despertar de um novo olhar.

Núcleo de Dança recebe renomadas bailarinas em edição especial on-line do ‘Papo-Cabeça’

Encontro virtual vai reunir alunos, professores e convidados em rica troca de experiências com as brasileiras Ingrid Silva e Mayara Magri no ‘Papo-Cabeça Edição Especial Núcleo de Dança’.

No mês em que é comemorado o ‘Dia da Dança’, a Fundação Lia Maria Aguiar promove uma edição especial do ‘Papo-Cabeça’, voltado especialmente para o Núcleo de Dança. Com formato digital, o evento, realizado em 20 de abril, às 18h30, terá a presença das bailarinas Ingrid Silva e Mayara Magri, que colecionam importantes conquistas e inspiram bailarinas e bailarinos.

Neste encontro, a coordenadora do núcleo, Fabiana Nemeth, conversa com duas grandes estrelas do Ballet, que têm suas carreiras marcadas por reconhecimentos pessoais e profissionais. Nascidas no Rio de Janeiro e vindas de projetos sociais, ambas descobriram a dança na infância, aos oito anos, e conquistaram bolsas de estudos que lhes abriram grandes janelas para o mundo.

Pensado para instruir e entreter, o ‘Papo-Cabeça’ é sempre uma oportunidade única de proporcionar aos alunos em desenvolvimento, uma verdadeira troca de experiências com renomados profissionais, onde as principais dúvidas e curiosidades podem ser sanadas e transformadas em inspiração. Conheça as convidadas:

Mayara Magri: Seu primeiro contato com a dança foi através do projeto ‘Dançar a Vida’, da Petite Danse, onde frequentou junto de suas duas irmãs por meio de uma bolsa de estudos.
A paixão que nasceu ali, a levou a praticar com muita dedicação, realizar o sonho de ser o ‘Cisne Negro’, e desfrutar de de suas primeiras experiências internacionais, quando, aos 14 anos, durante um curso de três semanas na América do Norte, participou de um concurso no Ballet Nacional de Cuba. No mesmo ano foi para Nova York, ficando entre as ‘top 12’ de sua categoria, e tempos depois, após ser contemplada como a melhor bailarina do 28º Festival de Dança de Joinville, em 2010, disputou uma vaga de Lausanne em Córdoba, na Argentina.

Aos 16 anos ganhou também o prêmio de melhor bailarina nos dois mais importantes festivais internacionais de ballet: O Prix de Lausanne (Suíça) e o YAGP (Nova York). Com sua primeira colocação no Prix de Lausanne, conquistou uma bolsa no Royal Ballet School, em Londres, em 2011, onde finalizou seus estudos. Após um ano, foi convidada para integrar a Companhia profissional do Royal, sendo promovida a Artista em 2015, Solista em 2016 e Primeira Solista em 2018.

Aos 26 anos, a bailarina que já foi cumprimentada pela Rainha Elisabeth II após um espetáculo, já compartilhou de sua trajetória em entrevistas à veículos de grande visibilidade como Revista Cláudia, Blog Só Dança e programas de TV como SportTV News e Fantástico. 

Convidadas a contarem um pouco mais sobre suas carreiras, metodologias de estudo, hábitos e rotinas, elas terão a oportunidade de partilhar suas experiências e vivências com crianças, jovens e professores da instituição, além de outros arte-educadores, bailarinas e bailarinos convidados, vindos de outras cidades do Vale do Paraíba, como São José dos Campos e Taubaté, de São Paulo e do Litoral, como Ubatuba. Os convites gratuitos foram extensivos à profissionais e parceiros que já tenham participado de eventos da Fundação como cursos, workshops e apresentações.

“A Ingrid e Mayara são duas bailarinas muito importantes, que também vieram de projetos sociais, driblaram diversas dificuldades no começo, e fizeram e fazem história, considerando tudo o que elas representam para a sociedade e já conquistaram na Dança. A ideia é mostrar para nossas meninas e meninos que existe a possibilidade de se chegar lá, mesmo não tendo condições financeiras, mas também que, para isso acontecer, existe uma dedicação enorme que eles precisam ter. Esse encontro virtual vem como um estímulo para os alunos nesse período de pandemia, para que mesmo em casa, com limitações, continuem estudando, acreditando, tendo um pouco mais de esperança no futuro”, conclui Fabiana.

Ingrid Silva: Com formação pelo projeto de extensão comunitária Dançando Para Não Dançar, Escola de Dança Maria Olenewa, do Theatro Municipal, Escola Deborah Colker, além do estágio no Grupo Corpo, a carioca Ingrid, filha de pai aposentado da Força Aérea Brasileira e de mãe empregada doméstica, foi a responsável por introduzir a Arte em sua família.

Ingrid Silva olha para frente com a cabeça inclinada para direita e sua mão toca delicadamente seu rosto com as pontas dos dedos.

Seu passaporte para a carreira internacional vem através do incentivo de Bethânia Gomes, bailarina brasileira que a motivou a gravar um vídeo para a companhia multirracial Dance Theater of Harlem, em Nova York, que acabou selecionando-a entre 200 candidatas para um curso de férias, e de onde saiu um convite para se mudar para os EUA aos 19 anos e integrar oficialmente a companhia.

Morando no exterior há 12 anos, a bailarina é valorizada por sua trajetória e especialmente lembrada por sua luta para que existissem sapatilhas com seu tom de pele, motivo que a levou a pintá-las durante 11 anos. Atualmente mantém projetos como o Black in Ballet, que dá visibilidade aos artistas negros, e o projeto EmpowHER New York, que promove a mudança dentro das mulheres, além de atuar em diversas campanhas publicitárias que visam à valorização da Mulher e da Mulher negra.