Núcleo de Teatro recebe Alessandra Maestrini em edição especial do Papo-Cabeça

Atriz e cantora participa do Papo-Cabeça on-line e aborda temas como sonhos, disciplina e caminhos que levam ao sucesso da carreira e ao reconhecimento artístico.

A troca de experiências pode ser sempre muito valiosa para quem trilha um caminho de constante evolução e aprendizado, como as crianças e jovens da Fundação Lia Maria Aguiar. Buscando sempre oferecer a eles as melhores oportunidades, a instituição promoverá na próxima terça, 22, às 18h30, uma edição especial do Papo-Cabeça, destinada especialmente aos 150 alunos do Núcleo de Teatro, com a presença especial da atriz e cantora Alessandra Maestrini, nome de grande relevância nos palcos brasileiros.

Conduzido pela coordenadora Viviane Santos, o bate-papo se dará de forma digital e será marcado por 150 minutos sobre sonhos, escolhas, carreira, estudos e os muitos caminhos que podem levar uma pessoa dedicada e talentosa ao sucesso, coroado pelo reconhecimento e a realização de bons trabalhos. O evento, que já recebeu diversos profissionais renomados em edições anteriores, dá aos alunos a exclusiva chance de esclarecer dúvidas e receber dicas sobre temas importantes.

“Quando foi sugerido que escolhêssemos alguém para participar desse Papo-Cabeça, nós pensamos na Alessandra porque acompanhamos a carreira dela, admiramos o seu trabalho e a ótima relação que ela já tem com a Fundação. Ela tem sempre um cuidado na maneira de se colocar, percebemos nela uma profissional muito centrada, correta, estudiosa, e como temos a intenção de falar, entre vários temas, sobre a disciplina do artista, ela nos pareceu ideal e com bastante propriedade, já que possui grande bagagem”, explica a coordenadora do Núcleo de Teatro.

Sobre a convidada:

Artista multifacetada é atriz, cantora, compositora, versionista e produtora. Nos palcos integrou o elenco de grandes superproduções do teatro musical brasileiro, entre elas ‘Les Misérables’, ‘Rent’, ‘7 – o Musical’, ‘Ópera do Malandro’ e ‘New York, New York’. Em 2014 montou o espetáculo solo ‘Yentl em Concerto’, um mix de musical, concerto, teatro e stand-up comedy, baseado na obra “Yentl – The Yeshiva Boy”, onde assina roteiro, direção e produção, além de estrelar. Registrado em CD e DVD, o disco recebeu o Prêmio da Música Brasileira 2017 na categoria Melhor Álbum em Língua Estrangeira. Seu último trabalho nos palcos foi em ‘O Som e a Sílaba’, que será adaptado em breve para a Disney+. Há nove anos é também mestre de cerimônias do Prêmio Bibi Ferreira, considerado o mais importante do teatro musical brasileiro. 

Na TV, é especialmente lembrada por seu papel como a divertida Bozena, do programa humorístico ‘Toma Lá Dá Cá’, mas sua veia cômica pulsante já pôde ser vista também em ‘Sexo e as Negas’ e ‘Eu, a Vó e a Boi’’; ainda no universo das séries esteve em ‘Chiquinha Gonzaga’, ‘A Cara do Pai’ e protagonizou ‘Tempero Secreto’, da GNT, e nas novelas fez parte de ‘Tempos Modernos’. Já no cinema, participou de filmes como ‘Fica Comigo Essa Noite’, ‘Polaroides Urbanas’, ‘O Labirinto’ e ‘Duas de Mim’, e, no universo da música, tem marcos importantes como o lançamento do seu primeiro CD solo, ‘Drama ‘N Jazz’, de 2012, e a participação na trilha sonora do remake da novela ‘Ti-TI-Ti’, com sua versão da canção ‘True Colors’.

Sra. Lia Maria Aguiar comemora 83 anos de vida com festa virtual

Ocasião conectou centenas de pessoas e a data foi marcada por um vídeo-homenagem ao som de “Como é Grande o Meu Amor por Você”.

Na última quarta, 02, a tarde foi marcada pela comemoração dos 83 anos da Sra. Lia Maria Aguiar, criadora da Fundação que leva seu nome e que há 13 anos transforma, através da arte e educação, a vida de milhares de famílias na cidade de Campos do Jordão. A celebração, realizada de forma virtual, reuniu mais de 500 pessoas, entre alunos, funcionários, colaboradores, amigos e parentes, que, de alguma forma, se sentem agraciados pela existência desta aniversariante tão especial.

Entre sorrisos, palmas, bexigas e chapéus de aniversário, o momento do parabéns, que uniu vozes e sentimentos para além do Vale do Paraíba, somou também palavras de afeto e gratidão, além de votos de felicidade e saúde, deixando espaço ainda para o vídeo-homenagem, que emocionou ao ter como pano de fundo a canção ‘Como é Grande Meu Amor Por Você’, cantada por alunos do Núcleo de Teatro e com arranjo criado pelo professor, Maestro e Diretor Musical Thiago Gimenes, traduzindo o que é vivido e sentido por cada um dos envolvidos nessa história de belos capítulos.

Confira como foi essa festa virtual que contou com câmeras e microfones ligados para expressar todo o amor e gratidão por esta aniversariante especial:

Ansiedade e amor-próprio são temas da nova edição on-line do ‘Papo-Cabeça’

Ação terá o escritor e criador de conteúdo digital, Matheus Rocha, abordando temas cotidianos com alunos dos núcleos socioculturais da instituição.

Não é difícil conhecer quem esteja lidando com sentimentos e sensações como nervosismo, medo, apreensão e preocupação, que acabam por traduzir o significado de ansiedade. Mantendo seu compromisso com a responsabilidade social, a Fundação Lia Maria Aguiar convida o escritor Matheus Rocha para uma nova edição on-line do Papo Cabeça, destinada a alunos, com o tema “Ansiedade e Amor-Próprio”, a ação acontece dia 25 de maio, às 18h30.

Os sintomas que podem afetar todas as idades de forma física e psicológica, e que vêm sendo intensificados com a pandemia da Covid-19, responsável por transformar e adaptar rotinas pessoais e profissionais, são assuntos recorrentes na vida e carreira do jovem poeta que se apoia nas próprias palavras para propagar seus pensamentos e expressar diferentes olhares sobre a vida para milhares de leitores e mais de 700 mil seguidores que o acompanham em rede social.

Nesta ação especial, a Fundação promove um encontro virtual entre centenas de alunos e o criador de conteúdo e cronista que iniciou seus trabalhos em 2012, com publicações feitas através do site ‘Neologismo’, que o lançou nacionalmente. A iniciativa, pensada sempre para informar e entreter, oferece aos envolvidos uma verdadeira troca de experiências, capaz de transformar dúvidas e curiosidades em inspiração e motivação.

Sobre o convidado:

Foto de Matheus Rocha olhando para a foto, ao fundo se vê montanhas.

Autor de livros que falam sobre amor, amor-próprio, amizade, sonhos e vida como ‘No Meio do Caminho Tinha Um Amor’, ‘Muito amor, por favor’, ‘O cuidador de pássaros’ e ‘Para Não Desistir do Amor’, Matheus conta ainda com duas publicações que abordam o universo da Ansiedade: ‘Pressa de Ser Feliz’ e ‘Não me Julgue pela capa’, que visam oferecer algum conforto, e até mesmo dar algum sentido aos altos e baixos da vida, que exige além de vivência, sobrevivência.

​Usando sempre de tom amigável e ciente de sua responsabilidade para com quem acompanha seu trabalho, o escritor, poeta e jornalista não poupa cuidados aos tratar do assunto, prezando pela missão exercida por cada profissional da área da saúde e recomendando, sempre que possível, que especialistas sejam procurados caso perceba-se a necessidade de explorar melhor os diversos gatilhos que a leitura pode despertar.

Fundação Lia Maria Aguiar realiza palestra on-line e gratuita dedicada ao Dia das Mães

Ação exibida pelo Instagram terá participação da Monja Coen e da jornalista Maria Cândida, abordando temas sobre maternidade, espiritualidade e comunicação familiar em tempos de pandemia.

As dificuldades e limitações geradas pela Covid-19 têm apresentado às mães novas descobertas e reflexões, onde a cada dia elas encontram formas de equilibrar seus sentimentos e conciliar a vida pessoal com o trabalho e a família. Pensando nisso, a Fundação Lia Maria Aguiar realiza nesta segunda, 10, às 19h, uma nova edição do “Encontro da Cidadania” dedicado ao Dia das Mães, aberto ao público e gratuito, com a presença virtual da Monja Coen e da comunicadora Maria Cândida.

Propondo uma conversa enriquecedora, capaz de informar, esclarecer, tranquilizar e entreter, as convidadas, que em suas redes sociais reúnem números expressivos de seguidores interessados em partilhar de seus pensamentos, refletirão sobre a maternidade e a missão especial, sem manual, que vem atrelada a ela, destinada a ensinar e transformar todos os dias, tornando essa uma experiência única e contínua.

O público, que estará conectado através do Instagram oficial da instituição, será presenteado com um diálogo construtivo e motivacional, através de palavras de amor e acalento, que podem encorajar e ajudar a amenizar os impactos sentidos pelo atual momento enfrentado, onde a espiritualidade e a comunicação se tornam bases ainda mais sólidas para o bom relacionamento familiar.

Conheça as palestrantes:

Monja Coen Rōshi: Monja zen budista brasileira e Primaz Fundadora da Comunidade Zen Budista, criada em 2001, com sede em São Paulo e destinada a disseminar os ensinamentos, ordenar monges e monjas e servir à comunidade através de palestras, liturgias e bênçãos de sabedoria. Antes de se tornar monja, estudou direito e trabalhou como jornalista.

Monja Coen com as mãos unidas no centro da imagem.

Criada no Cristianismo, ela começou a estudar a tradição Budista em 1983, quando integrou o Zen Center of Los Angeles, tendo se convertido no mesmo ano ao Budismo no Convento Zen Budista de Nagoia, no Japão. Estudou também nos templos de Aichi Senmon Nisodo e Tokubetsu Nisodo.
Entre os pontos altos de sua jornada no Brasil está a liderança das atividades do Templo Bushinji, o cargo de Presidenta da Federação das Seitas Budistas do Brasil, que, pela primeira vez em 50 anos de História do Budismo no Brasil, teve uma monja de origem não-japonesa ocupando a posição, e criou sua própria comunidade Zendo Brasil, reconhecida em 2008 como Templo e recebendo o nome de Tenzuizenji – nesta ocasião se tornou Abadessa.

Suas atividades como missionária incluem a Orientação de algumas Comunidades zen budistas no Brasil, retiros, palestras, além das Caminhadas Zen em parques e a participação em eventos e encontros pelo mundo de cunho educacional e inter-religioso, Seminários, e tudo que preze pela não-violência, a cultura de paz e a cura da Terra e dos seres.

Maria Cândida: Formada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, sua trajetória profissional inclui um início como modelo, passagens pelas principais emissoras do Brasil, e experiências internacionais como a CNN, em Atlanta, e a Bloomberg, em Nova York. Ao longo de 25 anos de carreira, esteve à frente de grandes reportagens, telejornais e programas de variedades, além da apresentação de grandes eventos como Oscar, Grammy, Grammy Latino e transmissões da Fórmula Mundial.

Maria Cândida com mãos dobrada sobre o queixo, usando blusa branca e cabelo solto.

Sempre ligada à área de comportamento e entretenimento, dentre tantos trabalhos destaca o comando do programa “12 Mulheres”, exibido pela Record TV, por onde conheceu vários países e reuniu histórias inspiradoras, sendo 50 delas eternizadas no livro “Mulheres que Brilham”, lançado em 2011.

Conectada também ao universo feminino, atualmente é referência para falar sobre empoderamento e realidades da Mulher 40+ e 50+, abordando temas como Envelhecer Positivo, Reinvenção de Carreira, Menopausa, Beleza e Maternidade. Atualmente realiza palestras pelo SEBRAE e apresenta o quadro ‘Ageless’, no Bem Estar, pela TV Globo, além de atuar como creator e influencer em suas redes sociais, onde se mostra com todas as suas nuances e inspira mulheres, assim como ela, reais.

Consideradas duas grandes referências femininas, a conversa especial ao Dia das Mães marca a primeira edição do “Encontro da Cidadania” em 2021, evento que acontece há mais de 10 anos e recebe renomados pensadores, comunicadores e profissionais de diferentes áreas, como Saúde, Educação, Cultura e Esporte, para abordar temas variados com a população de Campos do Jordão, onde está localizada a instituição. Realizado de forma on-line desde 2020 em função da pandemia, o evento, que recebeu em novo formato os professores Leandro Karnal e Mario Sérgio Cortella, mantém seu propósito de agregar conhecimento, ressignificar valores e promover o despertar de um novo olhar.

Núcleo de Dança recebe renomadas bailarinas em edição especial on-line do ‘Papo-Cabeça’

Encontro virtual vai reunir alunos, professores e convidados em rica troca de experiências com as brasileiras Ingrid Silva e Mayara Magri no ‘Papo-Cabeça Edição Especial Núcleo de Dança’.

No mês em que é comemorado o ‘Dia da Dança’, a Fundação Lia Maria Aguiar promove uma edição especial do ‘Papo-Cabeça’, voltado especialmente para o Núcleo de Dança. Com formato digital, o evento, realizado em 20 de abril, às 18h30, terá a presença das bailarinas Ingrid Silva e Mayara Magri, que colecionam importantes conquistas e inspiram bailarinas e bailarinos.

Neste encontro, a coordenadora do núcleo, Fabiana Nemeth, conversa com duas grandes estrelas do Ballet, que têm suas carreiras marcadas por reconhecimentos pessoais e profissionais. Nascidas no Rio de Janeiro e vindas de projetos sociais, ambas descobriram a dança na infância, aos oito anos, e conquistaram bolsas de estudos que lhes abriram grandes janelas para o mundo.

Pensado para instruir e entreter, o ‘Papo-Cabeça’ é sempre uma oportunidade única de proporcionar aos alunos em desenvolvimento, uma verdadeira troca de experiências com renomados profissionais, onde as principais dúvidas e curiosidades podem ser sanadas e transformadas em inspiração. Conheça as convidadas:

Mayara Magri: Seu primeiro contato com a dança foi através do projeto ‘Dançar a Vida’, da Petite Danse, onde frequentou junto de suas duas irmãs por meio de uma bolsa de estudos.
A paixão que nasceu ali, a levou a praticar com muita dedicação, realizar o sonho de ser o ‘Cisne Negro’, e desfrutar de de suas primeiras experiências internacionais, quando, aos 14 anos, durante um curso de três semanas na América do Norte, participou de um concurso no Ballet Nacional de Cuba. No mesmo ano foi para Nova York, ficando entre as ‘top 12’ de sua categoria, e tempos depois, após ser contemplada como a melhor bailarina do 28º Festival de Dança de Joinville, em 2010, disputou uma vaga de Lausanne em Córdoba, na Argentina.

Aos 16 anos ganhou também o prêmio de melhor bailarina nos dois mais importantes festivais internacionais de ballet: O Prix de Lausanne (Suíça) e o YAGP (Nova York). Com sua primeira colocação no Prix de Lausanne, conquistou uma bolsa no Royal Ballet School, em Londres, em 2011, onde finalizou seus estudos. Após um ano, foi convidada para integrar a Companhia profissional do Royal, sendo promovida a Artista em 2015, Solista em 2016 e Primeira Solista em 2018.

Aos 26 anos, a bailarina que já foi cumprimentada pela Rainha Elisabeth II após um espetáculo, já compartilhou de sua trajetória em entrevistas à veículos de grande visibilidade como Revista Cláudia, Blog Só Dança e programas de TV como SportTV News e Fantástico. 

Convidadas a contarem um pouco mais sobre suas carreiras, metodologias de estudo, hábitos e rotinas, elas terão a oportunidade de partilhar suas experiências e vivências com crianças, jovens e professores da instituição, além de outros arte-educadores, bailarinas e bailarinos convidados, vindos de outras cidades do Vale do Paraíba, como São José dos Campos e Taubaté, de São Paulo e do Litoral, como Ubatuba. Os convites gratuitos foram extensivos à profissionais e parceiros que já tenham participado de eventos da Fundação como cursos, workshops e apresentações.

“A Ingrid e Mayara são duas bailarinas muito importantes, que também vieram de projetos sociais, driblaram diversas dificuldades no começo, e fizeram e fazem história, considerando tudo o que elas representam para a sociedade e já conquistaram na Dança. A ideia é mostrar para nossas meninas e meninos que existe a possibilidade de se chegar lá, mesmo não tendo condições financeiras, mas também que, para isso acontecer, existe uma dedicação enorme que eles precisam ter. Esse encontro virtual vem como um estímulo para os alunos nesse período de pandemia, para que mesmo em casa, com limitações, continuem estudando, acreditando, tendo um pouco mais de esperança no futuro”, conclui Fabiana.

Ingrid Silva: Com formação pelo projeto de extensão comunitária Dançando Para Não Dançar, Escola de Dança Maria Olenewa, do Theatro Municipal, Escola Deborah Colker, além do estágio no Grupo Corpo, a carioca Ingrid, filha de pai aposentado da Força Aérea Brasileira e de mãe empregada doméstica, foi a responsável por introduzir a Arte em sua família.

Ingrid Silva olha para frente com a cabeça inclinada para direita e sua mão toca delicadamente seu rosto com as pontas dos dedos.

Seu passaporte para a carreira internacional vem através do incentivo de Bethânia Gomes, bailarina brasileira que a motivou a gravar um vídeo para a companhia multirracial Dance Theater of Harlem, em Nova York, que acabou selecionando-a entre 200 candidatas para um curso de férias, e de onde saiu um convite para se mudar para os EUA aos 19 anos e integrar oficialmente a companhia.

Morando no exterior há 12 anos, a bailarina é valorizada por sua trajetória e especialmente lembrada por sua luta para que existissem sapatilhas com seu tom de pele, motivo que a levou a pintá-las durante 11 anos. Atualmente mantém projetos como o Black in Ballet, que dá visibilidade aos artistas negros, e o projeto EmpowHER New York, que promove a mudança dentro das mulheres, além de atuar em diversas campanhas publicitárias que visam à valorização da Mulher e da Mulher negra. 

Núcleo de Dança conquista novos prêmios no Festival Bravos On-line

Segunda edição realizada de forma digital contemplou o trabalho de alunas e professoras que souberam se adaptar às limitações da pandemia.

Se reinventando em meio a Covid-19, o Núcleo de Dança da Fundação Lia Maria Aguiar participou virtualmente do Festival Bravos On-line, realizado nos dias 10 e 11 de abril, de onde saiu contemplado com cinco apresentações especiais desenvolvidas ao final de 2020, gravadas em sala de aula, durante um dos breves retornos presenciais autorizados pelo Plano São Paulo, mediante a todos os protocolos de segurança necessários.

No primeiro dia da atração, o Núcleo foi representado pelas bailarinas Anandha Marineli, que conquistou o 2º lugar com o Solo Contemporâneo “Solitude”, Julia Moraes, ganhadora do 3º lugar com a Variação de Repertório “Princesa Florine”, e Lívia Franceschinni, escolhida como 3º lugar com o Solo Clássico Livre “Insight”. Ainda neste dia o Conjunto Contemporâneo “Instantes”, coreografado pela professora Flavia Cassiano, conquistou o 2º lugar.

Já no segundo dia de Festival, a aluna Julia Moraes recebeu novo reconhecimento e ocupou o 2º lugar com o Solo Clássico Livre “Transverso”, bem como a coordenadora do Núcleo, Fabiana Nemeth, reconhecida na mesma colocação por seu trabalho no Conjunto Clássico Livre, com a coreografia “Estudo para Pandemia”, tendo como diferencial seu processo de criação, realizado sem nenhum tipo de contato físico:

“Participamos do Bravos com trabalhos que foram coreografados e remontados em outubro, novembro e dezembro, gravados com todo o cuidado durante nosso retorno presencial, como o próprio festival autorizava”, conta Nemeth, que chamou ainda atenção para a coreografia ‘Instantes’, construída em apenas quatro ensaios. “Ela foi criada especialmente para apresentarmos na nossa live de encerramento, e acabamos enviando o vídeo, pois é sempre muito importante para nós termos um feedback dos jurados”, explica.

As avaliações da edição ficaram à cargo do olhar técnico do júri convidado, representado pelos experientes Mestres Andrea Pivatto, Andrea Thomioka e Edy Wilson, que possuem reconhecimento expressivo no mercado da Dança nacional e internacional, e puderam expressar suas opiniões acerca dos trabalhos apresentados, contribuindo com comentários agregadores e incentivadores a todos os participantes.

O Festival Bravos

Criado pela Bravos Festival de Dança, a empresa é conhecida há 20 anos por realizar festivais anuais e, especialmente neste momento, tem se dedicado a desenvolver iniciativas que estimulem a Arte, valorizando o comprometimento dos profissionais e estudantes com a manutenção de seus trabalhos, além de oferecer a eles a oportunidade de visibilidade e reconhecimento de seus talentos na Dança.

Essa é a segunda vez que o Núcleo de Dança da FLMA participa de um Festival On-line promovido pela Bravos. Em setembro de 2020, a convite da diretora do festival, Sandra Riego, os alunos da instituição relembraram três das coreografias apresentadas no espetáculo ‘O Castelo Mágico’, realizado em Campos do Jordão no ano de 2019,  conquistando outros três importantes prêmios.

Fundação Lia Maria Aguiar realiza ação especial de Páscoa

Alunos dos Núcleos socioculturais foram contemplados com nova entrega de cestas básicas e um ovo de Páscoa personalizado, marcando a data que se aproxima.

Uma mãe e duas filhas posam de frente para a foto, todas usam máscara, duas seguram uma caixa de papelão e a menor segura um ovo de Páscoa.

Há pouco mais de um ano a pandemia da Covid-19 era anunciada no país com desdobramentos preocupantes em todo mundo. Atividades educativas e culturais foram interrompidas pela paralisação, transformando hábitos e rotinas, mas a Fundação Lia Maria Aguiar se manteve empenhada a oferecer melhores condições de ensino e acolhimento social aos alunos e famílias atendidas através de seus projetos sociais.

Ao longo de 2020, a instituição, que manteve suas aulas de forma online, realizou a doação de mais de 2000 cestas básicas, incluindo uma entrega especial de Natal, que proporcionou aos seus beneficiados uma Ceia mais completa. O cuidado com o próximo se estendeu ainda a uma ação de combate ao coronavírus, através da doação de 800 testes RT-PCR, auxiliando a população jordanense na testagem e controle da doença.

AÇÃO DE PÁSCOA

Uma mulher com o cabelo preso e usando máscara assina um papel sobre a mesa, ao seu lado direito esta uma menina jovem usando máscara e segurando um ovo de páscoa.

Embora com processo de vacinação ativo, o vírus segue impactando a sociedade, e a situação de vulnerabilidade em que se encontram centenas de famílias levou a Fundação a realizar uma nova ação, essa especial de Páscoa, onde mais de 500 cestas serão entregues aos alunos dos Núcleos de Dança, Música e Teatro, que receberão ainda um ovo de Páscoa personalizado, simbolizando a data celebrada e que inspira esperança.

Com distribuição segura e controlada, a entrega acontece entre os dias 29 de março e 1º de abril. Cada cesta deverá ser retirada pelo aluno ou representante, desde que não pertencente a grupos de risco, e mediante a agendamento prévio. A medida visa evitar a situação de aglomeração, bem como a exposição ao risco de todos os envolvidos.

Uma menina usando o uniforme da Fundação Lia Maria Aguiar e máscara preta está sentada segurando um ovo de Páscoa azul claro.

Fundação Lia Maria Aguiar celebra ‘Dia da Mulher’ com ações especiais

Data tem edição especial do ‘Papo Cabeça’ com a presença das influenciadoras Ellora Haonne e Negatta. Além de um vídeo compilado de imagens únicas, embaladas pela canção ‘Maria Maria’.

Para celebrar o Dia da Mulher, a instituição que tem à frente a empresária Lia Maria Aguiar, conhecida especialmente em Campos do Jordão por sua força, dedicação e amor ao próximo, e considerada por muitos uma referência inspiracional de figura feminina, realiza em 2021 uma ação inédita, pensada para enaltecer a importância da data e despertar esperança e acolhimento a centenas de outras mulheres.

Com a intenção de direcionar um novo olhar para diversos pensamentos, sentimentos e entendimentos que envolvam o universo feminino, a iniciativa é marcada por uma edição especial para mulheres do ‘Papo Cabeça’. Este é um evento interno que, desde 2018, proporciona aos alunos a oportunidade de uma troca de ideias inteligente, reflexiva e motivacional, com profissionais e personalidades que se conectam a diferentes temas e realidades.

As convidadas

Para conversar com cerca de 300 alunas, com idades entre 7 a 21 anos, foram convidadas as jovens influenciadoras Ellora Haonne e Negatta, conhecidas da Internet por abordarem assuntos relacionados a comportamento, relacionamento, amor-próprio, entre outros temas que permeiam os pensamentos femininos.

A youtuber Haonne cursava o sétimo período de Engenharia quando decidiu mudar de área e se dedicar à comunicação. Ganhou maior reconhecimento na mídia após fazer parte de uma famosa corrente de autoaceitação por meio de um vídeo que fortalece o amor-próprio e a autoestima e carrega a tag “Tour Pelo Meu Corpo”. A comunicadora é também autora do livro “Por todas nós: Conselhos que não recebi sobre luta, amor e ser mulher”, nome que reforça o foco principal dos conteúdos produzidos em seu canal, que soma quase 1 milhão e meio de inscritos.

Já Monique Lorena, mais conhecida como a youtuber Negatta, surgiu em 2014, nas redes sociais, com a intenção de trazer mais conscientização e cultura para o mundo, chamando atenção para diferentes pontos de vista, e usando de muita criatividade, doses de ironia e ‘afrodeboche’, como oficialmente é definida em seu canal, com mais de 70 mil inscritos. Ainda em 2014, ganhou visibilidade nacional e internacional com o projeto fotográfico “#AhBrancoDaUmTempo”, que denuncia o racismo dentro da Universidade de Brasília (UNB). Em 2016, a bacharel em Ciências Sociais recebeu o Prêmio Antonieta de Barros – Jovens Comunicadores Negros e Negras, pela Secretaria de Ações Afirmativas.

Homenagem à mulher

Ainda em celebração ao dia 08 de março, dois vídeos exclusivos, embalados pela emblemática canção ‘Maria Maria’, de Milton Nascimento, reuniram fotos de 50 mulheres representativas, entre profissionais da instituição FLMA e moradoras de Campos do Jordão, que, embora diferentes em suas formas de pensar, sentir ou viver, compartilham do mesmo desejo: serem amadas, respeitadas, valorizadas e reconhecidas.

O vídeo, que traz a música cantada e declamada pelas vozes de Juliana Ferreira, Maria Tereza e Sara Milca, e com arranjo do professor, diretor musical e maestro Thiago Gimenes, coroa a ação especial realizada pela Fundação Lia Maria Aguiar que homenageia, não só essas, mas tantas outras ‘Marias’, que, ao longo de quase 13 anos, fazem parte da sua história.

Você pode assistir aos vídeos clicando aqui e aqui.

Dona Lia recebe primeira dose da vacina contra a Covid-19

A presidente da Fundação Lia Maria Aguiar foi imunizada nesta segunda-feira

Seguindo todos os protocolos de segurança, a empresária e benfeitora Sra. Lia Maria Aguiar, recebeu nesta segunda-feira, a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

Aos 82 anos, faixa etária que a coloca na fase prioritária da campanha, ela celebra a oportunidade de receber essa dose extra de esperança e endossa a confiança na imunização, capaz de resgatar a esperança da população.

Ninguém esperava um problema desses, mundial, mas tentamos fazer o melhor possível e conseguimos levar a frente a Fundação, os projetos que tínhamos e nossas iniciativas solidárias. Poder receber essa vacina pela Prefeitura de Campos do Jordão e ver as pessoas sendo protegidas, é saber que estão recuperando suas expectativas e melhorando as perspectivas de vida”, diz.

Sra. Lia Maria Aguiar recebe primeira dose da vacina contra Covid-19

Dona Lia – como é carinhosamente conhecida – é considerada uma cidadã de respeito, especialmente em Campos do Jordão, cidade onde reside desde 2005. No município também foi fundada a instituição independente e sem fins lucrativos que leva o seu nome, e que, há quase 13 anos, é responsável por contribuir com a educação e entretenimento local e promover grandes projetos e eventos socioculturais.

Em 2020, buscando amenizar impactos, a Fundação Lia Maria Aguiar foi responsável pela distribuição de mais de 2000 cestas básicas para as 650 famílias atendidas. Também realizou a  doação de 800 testes RT-PCR para a cidade, em parceria com o Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês, resultando em uma ação de suma importância no combate à pandemia e controle da propagação do vírus.

Bailarina formada pela FLMA integra companhia de ballet de Taubaté-SP

Ex-aluna da instituição passou por quatro dias de audição para integrar a companhia de ballet taubateana, fundada em 2006.

Todo processo de ensino e aprendizado pode ser engrandecedor, especialmente quando a troca entre professor e aluno rende bons frutos. É pensando nestes resultados que, desde 2008, a Fundação Lia Maria Aguiar se dedica a oferecer, para crianças e jovens de Campos de Jordão, todo tipo de auxílio e possibilidade através da arte, disposta a celebrar das pequenas às grandes conquistas de todos aqueles que passam pelos núcleos socioculturais da instituição.

O ano de 2021 começa com a boa nova de que a jovem Thaís Maria da Silva Santos, ex-aluna do Núcleo de Dança, está entre as bailarinas escolhidas para ingressar no ‘Balé da Cidade de Taubaté‘.

A oportunidade, que surgiu após um processo de avaliação por vídeo seguido de audição presencial, respeitando todos os protocolos de segurança da Covid-19, levou a jovem jordanense a ter suas habilidades testadas no Ballet Clássico e na Dança Contemporânea, e a conquistar uma das 12 concorridas vagas disputadas por 35 candidatos pré-selecionados.

Thaís Maria da Silva Santos
Foto: Renan Livi/Bolha Set

Oportunidades que engrandecem

“Fiquei bastante feliz pela oportunidade. Agora, como profissional, a visão é totalmente diferente; estar de mente, corpo e coração aberto para as oportunidades dentro da companhia, mas principalmente aprendendo e tendo trocas com o próximo. Todos estão ali porque realmente amam e escolheram a dança como profissão”, contou a bailarina que revelou ainda o desafio de audicionar usando máscara, considerando o clima diferente de Taubaté comparado à Campos do Jordão. 

Adepta da dança desde 2009, foi aos 13 anos que Thaís se interessou por buscar um maior aprofundamento na área e ampliar sua prática, o que tornou o curso da FLMA a melhor opção. Indicada por uma amiga já matriculada, ela se inscreveu no processo seletivo em 2010, e foi aprovada para integrar o Núcleo coordenado pela professora Fabiana Nemeth, de onde saiu formada e com DRT em 2018, aos 21 anos.

Uma jornada incrível

“A Thaís não teve uma caminhada fácil, mas sempre deixou muito claro que queria ser bailarina. É uma menina muito dedicada e responsável, que conseguiu enfrentar sua timidez, suas inseguranças e dificuldades técnicas e, a partir disso, melhorar seus resultados, conquistando seu espaço. Ela sempre apresentou uma característica de interpretação artística muito forte, e por consequência disso, se apresentou muitas vezes como solista em espetáculos como ‘O Lago dos Cisnes, conta Nemeth.

“Para mim todos os espetáculos têm uma história envolvida e acabam sendo importantes, mas ‘O Lagos dos Cisnes’ foi especial, pois foi quando a Fundação completou 10 anos, foi o ano que me formei, e ainda tive a oportunidade de fazer a Odette e a Odile. Isso me leva a uma lembrança de 2013, quando fomos para o Seminário Internacional de Brasília, e lá teve a montagem de ‘O Lago dos Cisnes’, com Márcia Jacqueline e Denis Vieira como os bailarinos solistas. Foi a primeira vez que assisti um ballet completo, e nunca imaginei que, alguns anos depois, eu estaria dançando esse ballet tão famoso”, relata Thaís.

Dentre as boas memórias da jovem, ela ainda reserva um lugar especial para uma experiência internacional, vivida ao conquistar uma bolsa na The School of Cadence Ballet, no Canadá. Oportunidade essa que se fez possível não apenas por todo seu esforço e talento, mas também pelo suporte oferecido pela Fundação Lia Maria Aguiar, a ela e sua família, durante as duas semanas de estudo intensivo. 

Thaís no Canadá
Thaís Santos no Canadá | Foto: Arquivo Pessoal

Experiência de Sucesso

“Foi uma experiência incrível, onde tive todo o apoio da Fundação do começo ao fim. Quando estava lá, todos os dias tinha contato com a Coordenadora Fabiana e com os meus pais pelas redes sociais, então foi fácil lidar com essa questão de estar sozinha em outro país. A rotina era bem puxada por ter aulas de segunda a sábado, mas tive a oportunidade de fazer aulas diferentes, como a dança caráter. Foi um momento de muito aprendizado, amadurecimento, de se virar em uma outra língua, outra cultura e de ter tido a oportunidade de conhecer novas pessoas”, relembra.

O novo salto na vida de Thaís, que quando olha para o futuro só deseja estar em constante crescimento como bailarina e trabalhando com o que a faz feliz, é resultado de todo investimento e dedicação da Fundação Lia Maria Aguiar e seus profissionais, que não medem esforços para proporcionar, a centenas de alunos, condições mais igualitárias e oportunidades variadas.

“Enquanto Fundação, ter acontecido isso com ela é a realização de uma parte de um sonho, porque quando eles chegam em uma idade que, normalmente, precisam parar de fazer as aulas para trabalhar, fazer faculdade, ver que uma aluna quer continuar sendo bailarina e ir em busca disso, é super gratificante. Eu fui bailarina, me tornei professora, e é muito bom quando a gente pode criar esses alunos para passarem pelas experiências que passamos. Por isso sempre incentivamos para que eles acreditem no potencial que tem, procurem por audições, queiram se profissionalizar”, conta Nemeth.

“A Fundação foi a minha segunda casa por muitos anos, eu realmente cresci nela. Eu sou muito grata por ter tido um lugar para fazer aulas, por ter tido tantas oportunidades, por estar no palco onde realmente sou a Thaís, e por ter tido profissionais incríveis junto comigo, pois sabemos que essa realidade é bem diferente no resto do país. Por fim, quero deixar a minha eterna gratidão à Dona Lia, por ter mudado a minha vida, e de muitas pessoas, por acreditar na arte. Minha reverência à Fundação, à Coordenadora Fabiana, a todos os professores e funcionários que estão ali todos os dias. Muito obrigada”, encerra Thaís agradecendo a instituição.

Thaís ballet clássico Núcleo de Dança
Thaís Santos como Rainha de Copas no espetáculo da FLMA, ‘Alice no País das Maravilhas’ | Foto: Renan Livi/Bolha Set